Não são pessoas como o Wagner Moura que me fazem acreditar em um mundo melhor.

26 de abril de 2012 at 8:11 PM (POST)

Wagner Moura pode ser um grande ator por ter incorporado o maior herói fictício carioca nas telas do cinema e ter dado uma lição no moral num programa de TV, ainda precisa tomar muito todinho pra chegar perto do Roberto Bolaños. Mas o que me faz acreditar num mundo melhor, de verdade, são pessoas como essas abaixo que por seus atos mostram que humanidade ainda tem jeito, com um pouco de Bohemian Rhapsody.

Todo bêbado é chato, isso é verdade. Mas os bêbados também são gênios! Por isso ao ser preso, Robert Wilkinson, que tinha a violência física como o menor dos meus problemas, resolveu cantar Bohemian Rhapsody numa viatura policial.

Esse merece ganhar prêmio de pai do milênio que toda manhã ao levar seus filhos para a escola canta Bohemian Rhapsody com seus filhos, e um belo dia resolveu gravar e postar no Youtube. Reparem na atuação do menorzinho! Sensacional!

Para eles, meus aplausos!

E não sei porque, mas carros e Bohemian Rhapsody sempre são um good call. Porque será?

Anúncios

Link permanente Deixe um comentário

Top 5 bandas folks em idiomas inidentificáveis que você deve conhecer!

30 de janeiro de 2012 at 9:06 PM (POST)

1 – Korpiklaani

2 – Black Messiah

3 – Arkona

4 – Dalriada

5 -Heidevolk

Link permanente Deixe um comentário

Top 5 – Melhores músicas Natalinas

19 de dezembro de 2011 at 11:29 AM (POST) (, , )

Todo ano o mês de dezembro vai chegando e músicas natalinas tocam em todos os lugares. Mas sempre são as mesmas, porém o rock and roll nos deu várias cantigas natalinas que nunca fizeram sucesso nessa data.

1 – The Sensational Alex Harvey Band – There’s no lights on the Christmas tree Mother (They’re burning Big Louie tonight)

Se o nome da banda é grande, o nome da música natalina tinha que ser maior. A música conta a história de Big Louie que vai preso por matar policiais e é julgado à cadeira elétrica e quando vão “queimar” o Big Louie as luzes da cidade apagam e a árvore de natal fica sem luz. Ótima canção para cantar o refrão repetidamente com seus primos, todos bêbados, às 3h da manhã do dia 25 na sala de jantar da sua avó.

2 – Slade – Merry Christmas Everybody

Depois de chamar para sentirem o barulho e falarem para a mãe que eles estavam todos doidos agora (piada infâme que faz um pouco mais de sentido em inglês e mesmo assim continuaria sem graça), Slade fez uma música para comemorar o natal com todos.

3 – The Beatles – Christams Time (Is Here Again)

Muita gente acha que a única contribuição de John Lennon para as músicas natalinas foi de Happy Xmas (War is Over), o que no meu estúpido entender, se trata mais de uma canção de protesto do que de Natal, está completamente errado. Os Beatles gravaram uma música de natal em 1967 que foi distribuída apenas para membros do Fan Clube. Se alguém ver sentido em algo do que o John Lennon fala no final, me avisem.

4 – Ramones – Merry Christmas (I Don’t Want To Fight Tonight)

Ótima música que serve como trilha sonora para comemorações natalinas entre famílias que não se dão bem e tudo acaba em pancadaria. No fundo essa música tem uma mensagem muito bonita, fala sobre amar o próximo e ser educado com ele quando o que você mais quer é dar um soco naquela pessoa. Aproveite o dia de Natal e não brique com ninguém!

5 – The Darkness – Christmas Time (Don’t Let the Bells End)

A banda que nasceu na época errada e que tentou trazer de volta o clima glam, poser, hard rock também deixou sua marca no Hall da Fama das músicas natalinas com Christmas Time (Don’t Let the Bells End). Uma música
bem alegre e feliz como era de se esperar de The Darkness, é uma boa pedida para colocar como trilha sonora da ceia de Natal com a família, mas de jeito nenhum coloque o videoclipe na televisão enquanto dance alegremente na sala ou seus parentes vão te achar um tanto quanto gay alegre demais.

Link permanente Deixe um comentário

London is drowning….

9 de agosto de 2011 at 1:50 AM (POST) (, , )

Começou em Londres nesse fim de semana uma verdadeira guerrilha social. Jovens atearam fogo na cidade de Londres destruindo lojas, carros, prédios e ônibus. Tudo isso por que a polícia britânica matou um homem de 29 anos pai de 4 filhos. Depois de Londres, Birmigham e Liverpool também foram atingidas pela onda de vandalismo.

Sou a favor de revoluções e rebeliões sociais. O que seria da humanidade se as classes baixas francesas não tivessem se revoltado? Ou o que seria do Brasil sem os caras pintadas? Ou da Argentina sem as paneladas?

Revoluções virtuais não levam a nada. Quer ter sua voz ouvida, tira a bunda do sofá e aprende com os Ingleses.

London calling, yes, I was there, too
An’ you know what they said? Well, some of it was true!
London calling at the top of the dial
After all this, won’t you give me a smile?

Link permanente 3 Comentários

Para toda arte existe um apreciador.

4 de agosto de 2011 at 12:34 AM (POST) (, , , )

O cinema é a sétima arte, e a ideia de contar histórias através de imagens se juntou com a arte de contar histórias através de músicas e foi criado o videoclipe. Há quem diga que quem criou os videoclipes foram os Beatles e há quem diga que foi o Didi Mocó Sonrisal Colesterol Novalgino Mufumbo. Mas enquanto ninguém traz uma resposta para esse problema, começarei a falar do que quero.

Os videoclipes se tornaram uma sensação nos anos 80 e 90 tendo uma decaída de lá pra cá e voltando ao topo graças ao Tio Tubo. Muita grana envolve esse mercado gigante, porém na marginalidade (vivendo na margem) dos videoclipes, existem as pessoas que querem contar suas visões da música para os outros e acabam criando seus próprios videoclipes.

E como a internet é um meio de muitos recursos e com vários tutoriais para se “fazer você mesmo”, essas pessoas acabam cagando pra tudo isso e utilizando o pior editor de imagens do mundo: o Paint Brush. Com essa tecnologia dinossáurica, é possível criar desenhos toscos de bonecos de palitinhos e coisas mais pitorescas. Porém com muita dedicação; esforço; paciência; e falta do que fazer, esses marginais da arte expõem seus trabalhos pela internet para que outros retardados reles mortais possam apreciar.

Abaixo segue alguns exemplos dessa arte marginalista que me agrada tanto. Na minha opinião, o melhor clipe é o do Graforréia Xilarmonica!

Link permanente Deixe um comentário

Bohmemeian Rhapsody

16 de junho de 2011 at 12:40 AM (POST) (, , )

Link permanente Deixe um comentário

Grandes personagens da história brasileira que não estão nos livros de história.

9 de junho de 2011 at 1:03 AM (POST) (, )

Seu Jacinto Peres um baiano radicado no Rio de Janeiro, também conhecido como Seu Perereca, possui um grande papel na história político-social brasileira que muitos desconhecem e hoje terão o desprazer de conhecer. Em meados de 1915, Dona Zeninha foi ao bar do Seu Manoel, mas o que não sabia é que aquele dia seria o começo de uma vida.

Dona Zeninha estava acompanhada de suas irmãs mais novas, Cacau, Nono, Maria da Ajuda e Délinha. Ao checarem no bar, entraram rapidamente e sentaram se logo na mesa. Pediram uma cachaça para cada uma e alguns amendoins. Sentou-se na mesa ao lado de Dona Zeninha, Carisvaldo Santos Silva Vitorioso, que logo se engraçou com Dona Zeninha que nem deu bola para o simpático homem. Por estar prometida ao filho do General Franciscano Guerra, Dona Zeninha tratou de ignorar o tal homem ao seu lado.

Algum tempo depois, Dona Zeninha teve uma baita dor de barriga e saiu desenfreada pro banheiro do bar do Manoel. Carisvaldo não perdeu tempo e foi atrás, viu a mulher entrar rapidamente no banheiro feminino e na porta ficou, esperando ela terminar os trabalhos. Assim que Carisvaldo ouviu a torneira sendo aberta, entrou no banheiro feminino e já foi encoxando Dona Zeninha que não sabia se terminava de lavar as mãos, se tirava as mãos de Carisvaldo debaixo de sua saia, ou se tirava a calcinha logo pra facilitar o trabalho do rapaz.

Dona Zeninha se rendeu à tentação e deu ali mesmo para Carisvaldo. E no meio da transa, ela começou a sentir cólicas novamente e tentando se segurar ao máximo, agradeceu por estar sentada em cima da pia e sem que Carisvaldo percebesse, ela abriu a torneira e deixou a natureza correr seu rumo. Carisvaldo achou que estava mandando muito bem, pois a mulher não parava de gemer e de sorrir, e quando tentou desligar a torneira recebeu um tapa na cara que achou melhor deixa-la ligada.

O casal terminou o serviço e rapidamente voltaram para suas mesas. Nove meses depois nasceu Jacinto Peres Guerra, filho de Maria Zeninha Peres e Francisco Guerra Coelho e Silva. Como era constado no cartório.

Jacinto teve boa educação, e por ser neto de general e filho de caixeiro-viajante conseguiu estudar em boas escolas e até entrar para a faculdade, porém não se formou. Sua mãe, Dona Zeninha, ficou doente e todo o dinheiro da família foi designado para pagar os médicos e tentar salvar a vida dela, o que não foi possível. Sem dinheiro e sem esposa, Chico Guerra se matou enforcado dentro de um prostíbulo. Jacinto estava com vinte e dois anos e não tinha dinheiro, mãe e pai. Parentes quase não tinha, apenas sua tia Maria da Ajuda que morava no Rio de Janeiro, a então capital do Brasil. Juntou suas tralhas e subiu no lombo do jumento para ir para cidade grande encontrar sua tia.

Maria da Ajuda o ajudou muito, conseguiu emprego para ele em uma fábrica, deu comida e moradia. Aos vinte e cinco anos, Jacinto que já era conhecido como Seu Perereca, sofre de uma terrível gonorreia e fica sem fazer sexo durante seis meses pra poder curar esse mal. Quando resolve visitar o prostíbulo Risos Soltos na Lapa, conhece Dulce Maria Noronha Souza, também conhecida como Docinha, e se casam no ano seguinte, tiverem três filhos.

Dulce trabalhava de empregada doméstica e Seu Perereca de mecânico de oficina, a vida deles era perfeita. Numa bela segunda feira, Maria da Ajuda diz ao Seu Perereca que o pai verdadeiro dele não era Chico Guerra e sim Carisvaldo Santos Silva Vitorioso, um político famoso. Maria da Ajuda morreu de disenteria alguns dias depois.

Seu Perereca, com incentivo de Docinha, decidiu encontrar seu verdadeiro pai. Carisvaldo Vitorioso não era um político famoso como havia dito Maria da Ajuda e sim um assistente de político famoso. Aos trinta e nove anos, Seu Perereca conheceu seu pai biológico, Carisvaldo Vitorioso que era assistente pessoal de Getúlio Vargas, o então Presidente da República.

No mesmo ano, Carisvaldo foi ter uma conversa com seu filho bastardo e fez um pedido para ele. Disse que a política andava ruim e que as coisas precisam melhorar, ofereceu dinheiro para que Seu Perereca o ajudasse e depois sumisse de sua vida. Jacinto Peres aceitou.

O combinado era que em pleno sábado, dia 28 de agosto de 1954, Jacinto Peres deveria entrar no quarto de Getúlio Vargas e matá-lo para o bem da nação brasileira. No dia 22 à tarde, Seu Perereca saiu mais cedo da oficina e foi encontrar um amigo seu que o vendeu uma pistola antiga e alguma munição. Depois disso foi pra casa, fez sexo com Docinha e dormiu. No dia seguinte foi trabalhar e ao voltar pra casa ouviu no jornal que Getúlio Vargas se suicidou.

No dia seguinte encontrou seu pai biológico e pediu o dinheiro do trabalho. Carisvaldo disse que não iria dar dinheiro nenhum pois o serviço não foi feito. Jacinto afirmou que havia comprado a arma e que precisava de dinheiro pois sua mulher não podia descobrir. Carisvaldo afirmou que não era problema dele e que como um bom bastardo, Jacinto deveria morrer.

Emputecido, Seu Perereca, sacou a arma e deu três tiros no peito de seu pai biológico que antes de morrer profanou palavras xulas ao seu filho bastardo. No bolso de Carisvaldo havia dinheiro, uma arma, talões de cheque e uma caneta de prata que Jacinto Peres rapidamente colocou em seus bolsos, além de um relógio de ouro. Nunca mais ouviram falar de Seu Perereca, ou Jacinto Peres. Muito menos de Dulce Maria Noronha Souza, ou Docinha.

A história brasileira teve o desprazer de apagar esses nomes de nossos livros história.

Link permanente 1 Comentário

Os Oblongs

19 de abril de 2011 at 1:17 AM (POST) ()

Os Oblongs é um desenho para adultos que passava nas madrugadas do SBT. Um desenho sobre uma típica família americana da classe operária da cidade de Hill Valley. Bob Oblong é um pai de família que trabalha na fábrica de pesticida Globocide tampando as garrafas de pesticidas com a boca. Sim, com a boca porque Bob nasceu sem pernas e braços. Casado com Pickles que é um alcoólatra e uma fumante conpulsiva que perdeu os cabelos por causa da atmosfera ruim do Valley – que é altamente prejudicado pelos desejos e sujeiras da Globocide. O feliz casal possui quatro filhos: Biff, Chip, Milo e Beth.

Biff e Chipp são gêmeos siameses de 17 anos. Os irmãos são ligados pela cintura e dividem uma perna juntas. Sempre estão atrás de garotas, apesar de Biff ser chamado de gay e acusado de ser apaixonado pelo seu treinador.

Milo inveja a vida dos seus colegas de sala que possuem grana e moram no Hill e é apaixonado pelas “Debbies”. Tem um olho maior que o outro e é chamados pelos outros de “psycho”.

Beth é a filha caçula, tem um tumor saliente na cabeça e é a mais bem ajustada da família.

Outros personagens bizarros e estranhos fazem a série ser bizarra e estranha, mas ao mesmo tempo foda! Abaixo é o episódio em que Bob ganha pernas e braços mecânicos, larga o emprego, se apaixona por uma salva vidas peituda de bikini vermelho.

Parte 1.

Parte 2.

Link permanente 1 Comentário

O Corvo

1 de abril de 2011 at 6:28 PM (POST) ()

O Corvo

(de Edgar Allan Poe traduzido por Machado de Assis.)

Em certo dia, à hora, à hora
Da meia-noite que apavora,
Eu, caindo de sono e exausto de fadiga,
Ao pé de muita lauda antiga,
De uma velha doutrina, agora morta,
Ia pensando, quando ouvi à porta
Do meu quarto um soar devagarinho,
E disse estas palavras tais:
“É alguém que me bate à porta de mansinho;
Há de ser isso e nada mais.”

Ah! bem me lembro! bem me lembro!
Era no glacial dezembro;
Cada brasa do lar sobre o chão refletia
A sua última agonia.
Eu, ansioso pelo sol, buscava
Sacar daqueles livros que estudava
Repouso (em vão!) à dor esmagadora
Destas saudades imortais
Pela que ora nos céus anjos chamam Lenora.
E que ninguém chamará mais.

E o rumor triste, vago, brando
Das cortinas ia acordando
Dentro em meu coração um rumor não sabido,
Nunca por ele padecido.
Enfim, por aplacá-lo aqui no peito,
Levantei-me de pronto, e: “Com efeito,
(Disse) é visita amiga e retardada
Que bate a estas horas tais.
É visita que pede à minha porta entrada:
Há de ser isso e nada mais.”

Minh’alma então sentiu-se forte;
Não mais vacilo e desta sorte
Falo: “Imploro de vós, — ou senhor ou senhora,
Me desculpeis tanta demora.
Mas como eu, precisando de descanso,
Já cochilava, e tão de manso e manso
Batestes, não fui logo, prestemente,
Certificar-me que aí estais.”
Disse; a porta escancaro, acho a noite somente,
Somente a noite, e nada mais.

Com longo olhar escruto a sombra,
Que me amedronta, que me assombra,
E sonho o que nenhum mortal há já sonhado,
Mas o silêncio amplo e calado,
Calado fica; a quietação quieta;
Só tu, palavra única e dileta,
Lenora, tu, como um suspiro escasso,
Da minha triste boca sais;
E o eco, que te ouviu, murmurou-te no espaço;
Foi isso apenas, nada mais.

Entro coa alma incendiada.
Logo depois outra pancada
Soa um pouco mais forte; eu, voltando-me a ela:
“Seguramente, há na janela
Alguma cousa que sussurra. Abramos,
Eia, fora o temor, eia, vejamos
A explicação do caso misterioso
Dessas duas pancadas tais.
Devolvamos a paz ao coração medroso,
Obra do vento e nada mais.”

Abro a janela, e de repente,
Vejo tumultuosamente
Um nobre corvo entrar, digno de antigos dias.
Não despendeu em cortesias
Um minuto, um instante. Tinha o aspecto
De um lord ou de uma lady. E pronto e reto,
Movendo no ar as suas negras alas,
Acima voa dos portais,
Trepa, no alto da porta, em um busto de Palas;
Trepado fica, e nada mais.

Diante da ave feia e escura,
Naquela rígida postura,
Com o gesto severo, — o triste pensamento
Sorriu-me ali por um momento,
E eu disse: “O tu que das noturnas plagas
Vens, embora a cabeça nua tragas,
Sem topete, não és ave medrosa,
Dize os teus nomes senhoriais;
Como te chamas tu na grande noite umbrosa?”
E o corvo disse: “Nunca mais”.

Vendo que o pássaro entendia
A pergunta que lhe eu fazia,
Fico atônito, embora a resposta que dera
Dificilmente lha entendera.
Na verdade, jamais homem há visto
Cousa na terra semelhante a isto:
Uma ave negra, friamente posta
Num busto, acima dos portais,
Ouvir uma pergunta e dizer em resposta
Que este é seu nome: “Nunca mais”.

No entanto, o corvo solitário
Não teve outro vocabulário,
Como se essa palavra escassa que ali disse
Toda a sua alma resumisse.
Nenhuma outra proferiu, nenhuma,
Não chegou a mexer uma só pluma,
Até que eu murmurei: “Perdi outrora
Tantos amigos tão leais!
Perderei também este em regressando a aurora.”
E o corvo disse: “Nunca mais!”

Estremeço. A resposta ouvida
É tão exata! é tão cabida!
“Certamente, digo eu, essa é toda a ciência
Que ele trouxe da convivência
De algum mestre infeliz e acabrunhado
Que o implacável destino há castigado
Tão tenaz, tão sem pausa, nem fadiga,
Que dos seus cantos usuais
Só lhe ficou, na amarga e última cantiga,
Esse estribilho: “Nunca mais”.

Segunda vez, nesse momento,
Sorriu-me o triste pensamento;
Vou sentar-me defronte ao corvo magro e rudo;
E mergulhando no veludo
Da poltrona que eu mesmo ali trouxera
Achar procuro a lúgubre quimera,
A alma, o sentido, o pávido segredo
Daquelas sílabas fatais,
Entender o que quis dizer a ave do medo
Grasnando a frase: “Nunca mais”.

Assim posto, devaneando,
Meditando, conjeturando,
Não lhe falava mais; mas, se lhe não falava,
Sentia o olhar que me abrasava.
Conjeturando fui, tranqüilo a gosto,
Com a cabeça no macio encosto
Onde os raios da lâmpada caíam,
Onde as tranças angelicais
De outra cabeça outrora ali se desparziam,
E agora não se esparzem mais.

Supus então que o ar, mais denso,
Todo se enchia de um incenso,
Obra de serafins que, pelo chão roçando
Do quarto, estavam meneando
Um ligeiro turíbulo invisível;
E eu exclamei então: “Um Deus sensível
Manda repouso à dor que te devora
Destas saudades imortais.
Eia, esquece, eia, olvida essa extinta Lenora.”
E o corvo disse: “Nunca mais”.

“Profeta, ou o que quer que sejas!
Ave ou demônio que negrejas!
Profeta sempre, escuta: Ou venhas tu do inferno
Onde reside o mal eterno,
Ou simplesmente náufrago escapado
Venhas do temporal que te há lançado
Nesta casa onde o Horror, o Horror profundo
Tem os seus lares triunfais,
Dize-me: existe acaso um bálsamo no mundo?”
E o corvo disse: “Nunca mais”.

“Profeta, ou o que quer que sejas!
Ave ou demônio que negrejas!
Profeta sempre, escuta, atende, escuta, atende!
Por esse céu que além se estende,
Pelo Deus que ambos adoramos, fala,
Dize a esta alma se é dado inda escutá-la
No éden celeste a virgem que ela chora
Nestes retiros sepulcrais,
Essa que ora nos céus anjos chamam Lenora!”
E o corvo disse: “Nunca mais.”

“Ave ou demônio que negrejas!
Profeta, ou o que quer que sejas!
Cessa, ai, cessa! clamei, levantando-me, cessa!
Regressa ao temporal, regressa
À tua noite, deixa-me comigo.
Vai-te, não fique no meu casto abrigo
Pluma que lembre essa mentira tua.
Tira-me ao peito essas fatais
Garras que abrindo vão a minha dor já crua.”
E o corvo disse: “Nunca mais”.

E o corvo aí fica; ei-lo trepado
No branco mármore lavrado
Da antiga Palas; ei-lo imutável, ferrenho.
Parece, ao ver-lhe o duro cenho,
Um demônio sonhando. A luz caída
Do lampião sobre a ave aborrecida
No chão espraia a triste sombra; e, fora
Daquelas linhas funerais
Que flutuam no chão, a minha alma que chora
Não sai mais, nunca, nunca mais!

Link permanente Deixe um comentário

Top 5 atores que são músicos.

24 de fevereiro de 2011 at 3:30 PM (POST) (, , )

Muitos atores já trilharam o caminho para a música e vice-versa. Abaixo listarei cinco atores que possuem uma carreira musical de sucesso ou não.

1 – Com todo seu charme italiano, ligação com máfia, e seus olhos azuis, Frank Sinatra saindo dos filmes musicais se tornou um ícone da música com hits até hoje conhecidos.

2 – Patrick Swayze gravou seu único hit para a trilha sonora do filme Dirty Dance e foi sua maior contribuição para a música.

3 – Ator conhecido por nós como o cara sortudo que corria ao lado das loiras peitudas de bikini vermelho em SOS Malibu, também conhecido por nossos pais como o cara do seriado A Super Máquina, e conhecido por gerações abaixo como o jurado de America’s Got Talent. David Hasselhoff tem um carreira bem sucedida musicalmente.

4 – Esse cara tem que ser respeitado porque ele ensinou aquele chute ao Anderson Silva. E é o único não japonês a ser o mestre de um arte marcial japonesa. Como bom músico e bom ator, Steven Seagal é um ótimo lutador.

5 – Bruce Willis e elas muito conhecido no Brasil atualmente pela propaganda do CCAA é um blusista e não possui nenhuma música legal nem agrega nada ao cenário musical.

Link permanente Deixe um comentário

Next page »